COMO O DIVÓRCIO AFETA OS FILHOS?

Criança escreve carta aos pais que estão se separando e revela como se sente com o divórcio...
“Queridos mamãe e papai! Sei que estão sofrendo. Eu também estou. Sinto essa tensão e me sinto atingido. Ainda sou novo e não posso expressar verbalmente o que está passando em nossas vidas. Mesmo assim, sinto o golpe. Meu coração se desmancha por ter que renunciar a um pai. Meu sentimento de segurança já era. Por favor, não pensem que sou forte. Por favor, não pensem que minha vida será como antes e que continuarei sentindo o mesmo amor pelos dois. Sou um ser humano como vocês. Minhas necessidades são iguais às de vocês.

Preciso de amor, atenção, criação, estabilidade, consistência, afeto, entendimento, paciência e, sobretudo, ser querido. Quando brigam por mim ou me colocam no meio das discussões de vocês, estão deixando claro que ganhar é mais importante do que minha vida. Tenho aprendido com vocês que é melhor estar certo do que ser amado. Estão me ensinando que venho de uma pessoa que não é querida e está errada. E, de certa forma, estou errado também. Quando puderem encontrar a ferida em meu coração verão que tenho guardado uma dor surda, minha infância foi roubada, me mostraram que o amor não é incondicional e ensinaram que devo ser insensível e não amar porque serei ferido, sem possibilidade de me recuperar.

Pode ser que não entendam isso hoje e, por ser tão pequeno, meu futuro não tenha importância, mas estão criando um risco muito grande de eu me separar de mim mesmo, arriscando minha segurança e construindo um vazio no meu coração. Minha segurança é o trabalho de vocês. Sem vocês e sem a proteção de vocês, estou sem escudos perante o mundo. Isso causará temores irracionais em mim, vai mostrar que devo permanecer na dúvida entre fugir ou lutar pelo resto da vida. Algum dia, esse choque vai desaparecer, mas, como meus pais escolheram agir nessa crise, isso nunca desaparecerá. 
Ou sentirei o egoísmo e falta de apoio e proteção ou terei uma cicatriz em meu coração com uma mensagem dizendo que se as coisas boas acontecem para pessoas boas. Eu devo ser uma má pessoa. Atenciosamente, o filho do divórcio” 

O texto que você acabou de ler “o filho do divórcio” é um vídeo de publicação da organização americana The Child of Divorce, que trabalha para dar voz às crianças filhas de pais separados. O depoimento é comovente e mostra uma série de angústias e perturbações que só o coração desta criança pôde conhecer.
Como Conselheiro Tutelar recebo diversos tipos de atendimentos, que mesmo sendo preparado para este tipo de trabalho, tenho choques de realidades. É impossível conversar com crianças que a partir dos seus 7 anos de idade já se transformaram em usuários de drogas. É impossível não sofrer um grande impacto ao conversar com uma adolescente de 14 anos mãe pela terceira vez. É impossível não sofrer o impacto ao ver bebês sofrendo por abuso sexual, maus tratos e outros, dentro do ambiente familiar. É impossível não sofrer o impacto ao ver filhos serem rasgados ao meio, como se fossem folhas de papel descartável, por pais que ao se divorciarem os usam como massa de manobra e objeto de barganha.

Lamentavelmente tenho encontros quase que diários em meu gabinete com pessoas acusando seus ex-cônjuges ou companheiros de negligencia e ou maus tratos para com os filhos (onde 80% são falsos). Existem pilhas de processos na esfera judiciária de casos de separação a serem julgados diariamente onde se definirá guarda, pensão e visita. Cada lado contrata o que julga ser o melhor advogado na tentativa de uma batalha de titãs no tribunal. O objetivo dos ex-parceiros nem sempre está no bem-estar dos filhos, mas, em como prejudicar da maneira mais ferrenha a outra parte e ter os filhos como troféu.

 No meio desta guerra estão os filhos que sofrerão em todos os sentidos e, em muitos casos acabarão enfrentando a alienação parental (denegrir, criar falsas memórias, apagar o amor do outro, etc.) que é, em si, um fator desestabilizante, que prejudica o desenvolvimento dos filhos envolvidos, bem como também o alienado e o alienador, impedindo que prossigam com suas vidas. Por tudo isso, antes de tomar a decisão do divórcio, pense bem. Se você está decidido (a) ou já está divorciado (a) lembre-se que seus filhos precisam de uma oportunidade de serem felizes e só vocês poderão lhes proporcionar isto.

Por fim, lutamos com todas as forças para ajudar essas crianças e adolescente vítimas de nossas próprias más escolhas, do nosso egoísmo, do nosso individualismo e da nossa falta de amor. Hoje no Conselho Tutelar encaminhamos muitas crianças com problemas diversos para programas de socialização, psicopedagogos, psicólogos e outros, tudo por um único motivo que os afetam... desestruturação familiar. Se alguém me perguntasse do que precisamos, certamente eu diria... informação e prevenção! Me orgulho do trabalho de formiguinha (ininterrupto)  que temos feito com palestras em escolas, associações, igrejas entre outros, falando para pais, famílias, educadores e profissionais onde o melhor remédio é prevenir. Planejamento familiar, conscientização, valores e princípios, rodas de conversa, prevenção e educação dá muito trabalho, mas, o resultado é recompensador e juntos podemos fazer a diferença. Eu acredito no amanhã melhor e você? www.gilsonbiondo.com.br




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHECENDO MELHOR A SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL

O QUE ACONTECE DENTRO DA ESCOLA? Seu filho está seguro?

Os filhos não precisam de Super-heróis, eles precisam de pais verdadeiros!