O QUE ACONTECE DENTRO DA ESCOLA? Seu filho está seguro?

Em minha última coluna falei sobre a “adaptação escolar”. Discorri sobre a dificuldade de adaptação da criança na escola e os choros incontidos, não só das crianças, mas também dos pais. Uma verdadeira batalha de nervos, autocontrole e sentimentos diversos a flor da pele. Nesta semana porém, quero falar sobre os cuidados que devemos ter ao escolher a escola ideal para nossos filhos.
Infelizmente muitas pessoas não podem escolher a creche ou escola que seus filhos irão frequentar, isso por conta de depender do estado ou do município para a disponibidade de vaga. No entanto, não deve ser por este motivo que os pais devem investigar o que acontece na escola ou nos tratamentos que as crianças recebem dentro da escola ou da creche. Aliás, e que fique bem claro... não é porque o município cede a vaga gratuitamente que tudo é de graça... ou seja, nada é de graça, pois, tudo é derivado dos suculentos impostos que são pagos pelos cidadãos de bem. E independente disso você tem o direito de acompanhar e saber qual será a grade de ensino que será oferecido ao seu filho e como e qual o tipo de tratamento ele recebe dentro a escola ou creche.

Passei por um momento muito delicado em relação a escolha do melhor colégio para meu filho e, isso com certeza é uma preocupação de muitos pais. Saber qual o ambiente de convívio do filho deve ser a prioridade desta busca. Uma das minhas maiores preocupações é a paciência do corpo docente, pois, este fator é literalmente decisivo para o sucesso e paz da criança em todos os âmbitos.

Como Conselheiro Tutelar tenho visto e vivido muitos dramas dentro das escolas e creche, tanto do município, quanto particulares. Crianças que trazem muitos problemas de casa, deficiência de aprendizado, dificuldades de adaptação, vítimas de violência, vítimas de abuso e tantas coisas que demanda tempo e atenção dos gestores e educadores. Em parceria com muitas escolas pudemos ajudar diversas crianças e famílias, mas, quando a escola, creche ou educadores não se dispõem ou não fazem com amor e profissionalismo aquilo que se propuseram a fazer o fim é catastrófico. Eu presenciei e atuei em casos que foi notório o cansaço de muitos educadores de escolas particulares e em redes públicas. O desafeto, a impaciência, a brutalidade, entre outros me deixaram chocado, pois, sei o reflexo que isso tem na vida de uma criança. 

Escolha e conheça bem a escola ou a creche que cuidará dos seus filhos. Pela experiência em na minha área de atuação, alguém pode até pensar que esta escolha para mim é mais fácil, mas, claro que não é bem assim. Quando escolhi o colégio para meu filho estudar eu fiz diversas observações. Ao fazer uma palestra no Colégio Aplicação que é um grande parceiro do Conselho Tutelar, observei como um todo e vi em primeiro lugar a estrutura do colégio, depois observei o comportamento participativo dos gestores, observei o trato dos profissionais desde a recepção, monitores, cozinha, professores entre tantas coisas para sentir qual era o clima local. Claro, que a escolha deve também estar baseada no ensino, mas, principalmente na paciência em faze-lo, pois, criança demanda muitaaaaa paciência. O diferencial do colégio aplicação é encontrar os próprios gestores/diretores bem humorados com a paciência de Jó (linguagem de expressão de um personagem bíblico) na porta do colégio recepcionando cada criança. Aos que requerer um pouco mais de atenção por estarem em período de adaptação são completamente envolvidos por aconchego, até para que se sintam em casa. 

E por fim usei o meu exemplo para mostrar que todo cuidado é essencial para se fazer a escolha certa. Aproveito para agradecer ao Amauri e Gilberto Guerra e toda a equipe do Colégio Aplicação pela paciência e carinho para com meus filhos e todas as crianças que estão aos seus cuidados.
Quero deixar ainda uma dica de observação de cuidados para com seus filhos caso esteja acontecendo algumas enfrentando dificuldades. Choro em excesso, reclamação, irritação... tudo isso pode ser sinal de que a criança está com problemas na escola. Aprenda a investigar as manifestações mais comuns no comportamento infantil.

10 indícios de que algo não vai bem na escolinha do seu filho

1. A criança sai da escolinha chorando todos os dias
É essencial reparar no rostinho do pequeno na hora da saída. Para entrar, é normal que reclame, por sentir preguiça ou apenas a falta dos pais. Mas o comportamento no momento de ir embora é mais importante para detectar anormalidades. Por isso, se ele sair chorando e se queixando, dia após dia, é preciso averiguar. É possível que haja algum conflito com colegas (sim, também existe bullying na primeira infância) ou até cansaço físico, caso a agenda esteja muito lotada. Acredite quando seu filho contar as coisas, questione sempre e confirme a versão dele com os educadores. Outra dica é visitar a 
instituição fora de hora ou chegar mais cedo para buscar a criança. Nesse momento, repare no comportamento de todos.

 2. Reclama da professora todos os dias e mostra que não gosta dela
Em geral, as crianças – e os bebês – adoram as professoras. Por isso, é importante reparar em como seu filho se refere a elas. Claro, é normal que eles se sintam contrariados, vez ou outra, com uma bronca ou um castigo, já que ninguém gosta de ser repreendido. Porém vale perguntar o que houve na escola, ficar atenta e mostrar para a coordenação que você quer ficar a par de tudo o que acontece.

 3. Ao brincar, grita com as bonecas ou os bichinhos e os coloca de castigo a todo instante
É bem curioso, mas, segundo Rita, as crianças reproduzem, com os bonecos, o tratamento que recebem no dia a dia. Por isso, fique atento à forma como seu filho brinca. Se o vir gritando com os bonecos, batendo ou os colocando de castigo, pergunte calmamente: “Quem faz isso, quem grita assim?. “Então, converse com os professores, questione o que está acontecendo e pergunte se o comportamento de seu filho mudou na escola, como ele interage com os amiguinhos… Toda informação que você conseguir será útil. Prefira conversar pessoalmente, olhando nos olhos.

 4. Nunca quer ir à escola
É comum que as crianças menores entrem chorando na escola – e isso nem sempre indica um problema, elas apenas sentem a falta dos pais. Mas, com 4 ou 5 anos, elas geralmente adoram ir à escola, pois associam as aulas a brincadeiras e aos amigos. Porém algumas instituições de ensino têm forçado uma alfabetização precoce, propondo mais atividades do que a criança está preparada. Isso faz com que ela se sinta sobrecarregada e cansada e passe a reclamar bastante.

A culpa dessa carga excessiva de tarefas nem sempre está relacionada à escola em si ou aos professores. “Os pais também devem pensar em quantas atividades eles matricularam a criança para não exauri-la”, aconselha Rita. Outro quesito que não pode fugir do controle dos pais é o horário de dormir: se a criança estuda de manhã, precisa deitar cedo. “Em geral, os pequenos precisam de dez horas de sono por dia porque se cansam mais do que os adultos”, avisa Rita.
 
5. Teve uma mudança brusca no comportamento noturno
Quando algo não vai bem, pode haver mudanças na rotina noturna de sono, com o aumento na frequência de pesadelos. Mas essa alteração também pode ser atribuída a uma fase conhecida como terror noturno, comum nos pequenos. Porém todo sinal de anormalidade precisa ser investigado. Não basta culpar a escola.

6. Tem medo de contato físico
Esse sinal é grave e vale tanto para babás como para a escola. Quando a criança demonstra ter receio de contato físico ou se retrai e mantém a cabeça baixa a qualquer mudança do tom de voz, é sinal de que ela pode estar sendo maltratada, apanhando dos amiguinhos ou até dos educadores.

7. Não gosta de falar da escola nem dos amiguinhos
Se a criança está sofrendo bullying, ainda que seja na primeira infância, é normal ela não querer falar sobre o dia a dia nem sobre os amiguinhos. Nessa hora, é preciso questionar os educadores, participar das atividades que a escola oferece para verificar o comportamento dos outros alunos com seu filho. Veja se ele é enturmado, se as outras crianças falam com ele, como eles brincam. Lembre-se: tenha os professores como aliados, pois eles podem passar informações que você não consegue perceber.

 8. Está muito irritada
A irritação repentina costuma indicar sobrecarga. As crianças precisam de tempo para descansar à tarde e brincar. Quando elas têm muitas atividades, ainda que sejam saudáveis, como esportes, podem se sentir exaustas. Esse cansaço se reflete em irritação ou desânimo.

9. Volta da escola com assaduras
Esse sintoma costuma aparecer principalmente nos bebês e indica que a higiene da criança não está sendo realizada a contento. Conte o problema aos professores. Certamente, eles irão prestar mais atenção e o incidente não se repetirá.

10. Não consegue desenvolver a fala

No período de adaptação, é comum que a criança se iniba e fale menos. O problema não é com a escola, mas com a separação da mãe e com a mudança de ambiente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONHECENDO MELHOR A SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL

Os filhos não precisam de Super-heróis, eles precisam de pais verdadeiros!